phone 

Cúria Diocesana

91 3425-1108

 

Francisco com o Imperador do Japão Naruhito

Após o encontro com as vítimas do triplo desastre no Centro de Convenções Bellesalle Hanzomon, o Papa foi ao Palácio Imperial em Tóquio para um colóquio com o imperador do Japão Naruhito. Após o encontro com as vítimas do triplo desastre no Centro de Convenções Bellesalle Hanzomon, o Papa foi ao Palácio Imperial em Tóquio para um colóquio com o imperador do Japão Naruhito. Fonte da imagem: Vatican Media

O Papa foi recebido pelo imperador Naruhito na entrada do Palácio Imperial e juntos seguiram até a Audience Hall, onde foi tirada a foto oficial do encontro, realizado de forma privada. A conversa entre Francisco e Naruhito durou meia hora, das 11h às 11h31, horário local. O Pontífice presenteou o imperador com um quadro em mosaico "Vista do Arco de Tiro", tirada de uma aquarela do pintor romano Filippo Anivitti (1876-1955).

O Palácio Imperial do Japão

O Palácio Imperial de Tóquio está localizado nas proximidades da Estação Central, na mesma área onde antigamente ficava o Castelo de Edo, ou seja, a sede do Shogun da família Tokugawa, que governou o Japão de 1603 a 1867. Daquele castelo é possível ver hosje o que restou da Torre de Fushimi.

Em 1869, o imperador Meiji transferiu sua sede de Kyoto para Tóquio e, desde então, o Palácio se tornou a residência oficial imperial. Destruído durante a Segunda Guerra Mundial e reconstruído pouco depois no mesmo estilo sóbrio, o prédio é enriquecido pelos grandes parques que o cercam e nos quais foram plantadas mais de 300 cerejeiras, conhecidas em todo o mundo por sua floração em tons rosa durante a primavera.

Em particular, a leste estão situados os Jardins Higashi Gyoen, que em seu interior abrigam a Tokagakudo, a grande sala de concertos octogonal recoberta de cerâmica, construída em 1966 para o 60º aniversário da imperatriz Kojom, falecida em 2000.

Também imponente nas cercanias o Parque Gaien, onde foi erguida a grande estátua de bronze do samurai Kusunoki Masashige, que viveu no século XIV.

Imperador Naruhito

O Imperador do Japão, sua Majestade Imperial Naruhito, filho mais velho do ex-imperador Akihito e da ex-imperatriz Michiko, nasceu no Palácio Togu, em Tóquio, em 1960. Ele se formou no Departamento de História da Universidade Gakushuin em 1982 e um ano mais tarde, ingressou no Metron College na Universidade Oxfod, onde estudou por mais três anos.

Após a morte de seu avô, o imperador Hirohito, em janeiro de 1989, tornou-se herdeiro do trono, sendooficialmente coroado príncipe durante uma cerimônia realizada em fevereiro de 1991.

Naruhito e a nova era do Japão

Em 1° de maio de 2019 Naruhito sobe ao trono do Crisântemo, após a abdicação de seu pai, o ex-imperador Akihito, após mais de 30 anos de reinado. Desta forma, o Japão acabou de viver uma passagem definida como histórica por todos os observadores internacionais.

A abdicação de Akihito é de fato a primeira nos últimos 200 anos da história da casa real japonesa, a mais antiga monarquia hereditária do mundo. Segundo a Constituição japonesa, o imperador é o "símbolo do Estado e da unidade de seu povo".

Akihito, de 85 anos, deixou o trono para seu filho mais velho para abrir uma nova era de "Magnífica Harmonia", em japonês a era "Reiwa" e assim colocar fim à era "Heisei" do "Alcançar a paz".

Durante a última aparição pública, em 30 de abril de 2019, Akihito disse que rezaria pela manutenção da paz e pela felicidade no decorrer da nova era.

Por Marco Guerra

Em Vatican News

Lido 26 vezes

Liturgia

Clique e leia a liturgia diária

Calendário

Calendário de pastoral da Diocese

Sobre a Diocese

EVANGELIZAR, a partir de Jesus Cristo e na força do Espírito Santo, como igreja discípula, missionária e profética, alimentada pela Eucaristia e orientada pela animação bíblica, promovendo a catequese de inspiração catecumenal, a setorização e a juventude, à luz da evangélica opção preferencial pelos pobres, para que todos tenham vida (cf. Jo 10,10), rumo ao reino definitivo.

Boletim de Notícias

Deixe seu e-mail para ser avisado de novas publicações no site da Diocese de Bragança: