phone 

Cúria Diocesana

91 3425-1108

 

Quem encontra Jesus vivo sente a necessidade de contar aos outros, disse o Papa no Angelus

"É uma união que se alimenta com a oração e também com a comunhão espiritual à Eucaristia, uma prática muito recomendada quando não é possível receber o sacramento. Isso eu digo para todos, especialmente para as pessoas que vivem sozinhas." "É uma união que se alimenta com a oração e também com a comunhão espiritual à Eucaristia, uma prática muito recomendada quando não é possível receber o sacramento. Isso eu digo para todos, especialmente para as pessoas que vivem sozinhas." Fonte da imagem: Vatican Media

Confira a alocução do Santo Padre antes de rezar o Angelus neste III Domingo da Quaresma, da Biblioteca do Palácio Apostólico:

Queridos irmãos e irmãs, bom dia!

Neste momento está terminando em Milão a Missa que o senhor arcebispo celebra no Policlínica para doentes, os médicos, os enfermeiros, os voluntários.  O senhor arcebispo está próximo de seu povo e também próximo a Deus na oração. Me vem em mente a fotografia da semana passada, na cúpula da catedral, rezando a Nossa Senhora. Gostaria também de agradecer a todos os sacerdotes, à criatividade dos sacerdotes. Chegam tantas notícias da Lombardia sobre essa criatividade, é verdade, a Lombardia foi muito atingida. Sacerdotes que pensam mil maneiras de estar próximos do povo, para que o povo não se sinta abandonado, sacerdotes com o zelo apostólico que entenderam bem que em tempos de pandemia não se deve fazer "o padre Abbondio". Muito obrigado a vocês, sacerdotes.

A passagem do Evangelho deste domingo, o terceiro da Quaresma, apresenta o encontro de Jesus com uma mulher samaritana. Ele está a caminho com seus discípulos e fazem uma parada junto a um poço, em Samaria. Os samaritanos eram considerados heréticos pelos judeus, e muito desprezados, como cidadãos de segunda classe.. Jesus está cansado, tem sede. Chega uma mulher para tirar água e ele pede: "Dá-me de beber". Assim, rompendo toda barreira, começa um diálogo em que revela a essa mulher o mistério da água viva, isto é, do Espírito Santo, dom de Deus. De fato, diante da reação de surpresa da mulher, Jesus responde: ‘Dá-me de beber’, tu mesma lhe pedirias a ele, e ele te daria água viva”.

No centro deste diálogo está a água. Por um lado, a água como elemento essencial para viver, que sacia a sede do corpo e sustenta a vida. Por outro, a água como símbolo da graça divina, que dá a vida eterna. Na tradição bíblica, Deus é a fonte da água viva - assim se fala nos salmos, nos profetas: afastar-se de Deus, fonte de água viva, e de sua lei, comporta a pior seca. É a experiência do povo de Israel no deserto. No longo caminho para a liberdade, sedento, protesta contra Moisés e contra Deus porque não há água. Então, por desejo de Deus, Moisés faz brotar água de uma rocha, como sinal da Providência de Deus que acompanha seu povo e lhe dá a vida.

E o apóstolo Paulo interpreta essa rocha como um símbolo de Cristo, dirá assim: "E a rocha é Cristo". É a figura misteriosa figura de sua presença no meio do povo de Deus que caminha. Cristo, de fato, é o Templo do qual, segundo a visão dos profetas, jorra o Espírito Santo, istoé, a água viva que purifica e dá vida. Quem têm sede de salvação pode obtê-la gratuitamente de Jesus, e o Espírito Santo se tornará nele ou nela uma fonte de vida plena e eterna.

A promessa da água viva que Jesus fez à mulher samaritana tornou-se realidade em sua Páscoa: "do lado transpassado, saiu sangue e água". Cristo, o Cordeiro imolado e ressuscitado, é a fonte da qual brota o Espírito Santo, que perdoa pecados e se regenera para uma nova vida.

Este dom também é a fonte do testemunho. Como a samaritana, quem quer que encontre Jesus vivo sente a necessidade de contar aos outros, para que todos confessem que Jesus "é verdadeiramente o Salvador do mundo", como disseram depois os conterrâneos dessa mulher.

Também nós, nascidos para uma vida nova mediante o Batismo, somos chamados a testemunhar a vida e a esperança que há em nós. Se nossa busca e nossa sede encontram plena satisfação em Cristo, mostraremos que a salvação não está nas "coisas" deste mundo, que no final produzem seca, mas naquele que nos amou e sempre nos ama: Jesus, nosso Salvador, na água viva que Elenos oferece.

Que Maria Santíssima nos ajude a cultivar o desejo de Cristo, a fonte de água viva, o único que pode saciar a sede de vida e de amor que carregamos no coração.

Por Vatican News

Lido 26 vezes

Liturgia

Clique e leia a liturgia diária

Calendário

Calendário de pastoral da Diocese

Sobre a Diocese

EVANGELIZAR, a partir de Jesus Cristo e na força do Espírito Santo, como igreja discípula, missionária e profética, alimentada pela Eucaristia e orientada pela animação bíblica, promovendo a catequese de inspiração catecumenal, a setorização e a juventude, à luz da evangélica opção preferencial pelos pobres, para que todos tenham vida (cf. Jo 10,10), rumo ao reino definitivo.

Boletim de Notícias

Deixe seu e-mail para ser avisado de novas publicações no site da Diocese de Bragança: